dezembro 4, 2018 Leonardo Goldim

Como se proteger das atuais cyber ameaças

Vivemos em uma realidade a cada dia mais digital e conectada. Neste cenário tecnológico, o cibercrime tem ganhado força, com modalidades a cada dia mais sofisticadas e que podem trazer inúmeros danos para organizações e pessoas.

Desta forma, é importante estar atento às principais ameaças e então, entender a forma correta de se proteger. A A10 Networks realizou um estudo sobre DDoS (Distributed Denial-of-Service) que apontou 804.744 armas de DDoS utilizadas na região da América Latina, nos últimos três meses.

Tais investidas ocorrem para amplificar DDoS e ataques por meio de dispositivos IoT, que têm o poder de afetar websites corporativos, por todo o mundo, independente da localidade.

O Brasil figura na pesquisa entre as 10 regiões mais vulneráveis aos ataques, embora não seja citado como fontes de ameaças digitais. Outras localidades que aparecem entre as menos seguras são Estados Unidos, França, China, Grã-Bretanha, Holanda, Arábia Saudita, Singapura, Hong Kong e Ásia-Pacífico. No mundo todo, o número de armas de DDoS utilizadas com frequência é de mais de 22 milhões, segundo o estudo.

Por este motivo, os investimentos em Segurança da Informação são essenciais para organizações, sejam públicas ou privadas. Os ataques de DDoS podem não resultar em roubos diretos, mas o perigo deles está na distração que causam às equipes de TI, o que permite que sofisticados criminosos roubem dinheiro, ou mesmo informações financeiras de clientes de uma varejistas, citando um exemplo de ataque que já ocorreu.

É essencial buscar parceiros especializados que forneçam um acompanhamento constante e monitoramento das operações, através da aplicação de tecnologias reconhecidas pelo mercado, além de consultoria multidisciplinar para o desenvolvimento e implantação de um programa consistente de segurança para toda a organização.

Leonardo Goldim, Diretor Executivo
IT2S Group BR | US

, ,
WhatsApp chat